16 de abr de 2007

Encontro AKDK mais bunkai e defesa pessoal

Olá, o endereço é diferente, mas a estupidez é a mesma…

Este fim-de-semana começou logo de manhã com Karate…

Estava eu a beber um café na Ericeira, vai-não-vai de meter conversa, eis que surge este comentário:
“Ah e tal, o mestre Coutinho é um dos supra sumo do Karate Shotokai em Portugal…”

Bem feito para a próxima não digas que não conheces “rasteirinhos” da vila.
Bem, adiante…



Este fim-de-semana começou uma pequena actividade da AKDK.
Apesar de na mesma data se realizarem os “encontros espaciais” da Federação e alguns instrutores da AKDK terem alguma curiosidade em relação a esta actividade, pelo que foram desta forma baixas garantidas neste encontro, o corpo técnico da AKDK não se viu inibido em realizar o evento.

Pronto, se calhar não era curiosidade… se calhar não tinham era créditos.
Adiante…

Perante uma plateia de cerca de 80 atletas (a sério, podem contar na foto…) trabalhou-se Kihon, Kata, algumas Bunkais e um pouco de paciência.
Desta vez calharam-me os cintos castanhos.

Foi muito bom trabalhar a Kata Seiyunchin com este grupo e quanto mais tempo treino, mais tenho a impressão de que treinar Kata é fundamental. Está tudo lá, à nossa mão, só falta é vermos para lá da forma…

Um dos grandes erros dos karatekas é tentar dar um passo maior do que as próprias pernas. Devemos ter calma, a progressão surge por si própria e não é por treinar todos os dias até à exaustão que vou progredir. Quando fazemos uma pausa no treino, regressamos com uma mente mais aberta, menos obcecada. É como esvaziar o copo para o voltarmos a encher de água fresca.

No Domingo, fui acordado pelo despertador. Achei estranho o facto do despertador tocar tão cedo, no fundo era o meu subconsciente a negar uma realidade que se iria tornar um facto.

Treinar, até aqui tudo bem, mas treinar Katas de Shotokan e Shito Ryu… pelo amor de Deus… O que é que essas escolinhas menores de Karate teriam para me ensinar?

Como já estava a correr tudo tão bem, vem o Sensei Álvaro Silva mais o mau feitio dele, a protestar que chegou atrasado por causa da senhora que tinha sido tesoureira no Clube e mãe do filho que tinha treinado com ele e que agora jogava Basquetebol e que…coiso e tal…

Falando do treino, perante todas estas adversidades, é claro que fiquei inibido e não consegui explanar todo o meu esplendor, brilho, magnificência e os meus conhecimentos da Kata Pinan Nidan, que diga-se de passagem, é, sim ouviram bem, é, a minha melhor Kata.
Que para quem conhece bem Goju Ryu, sabe que é uma Kata do programa técnico de Goju!!!!????.
Perante isto e sob a orientação do Sensei David, que no fundo teve foi pena da triste figura que eu estava a fazer, lá se avançou para as bunkais.

Pronto, estava tudo a correr tão bem, dentro da normalidade, com interpretações básicas e algumas avançadas, quando se ouviu uma vozinha lá do fundo:

-“Ah, os electricistas ás vezes carregam nos interruptores e os outros apanham choques…”

Não, não podia, a treta do Kyusho a vir à baila, pelo amor de Deus, tudo no mesmo dia…

Bem, treta à parte e acho que já falei mal de toda a gente…
Este encontro foi muito bom.

Foi mais uma oportunidade para trazer um diploma de participação para casa, apesar de merecer dois, pois houve um prelector que gostou muito dos meus pulsos durante a aula de defesa pessoal e me fez passar as passas do Algarve, ou será Allgarve? (tenho que perguntar ao Sensei J. Rosa).

Ficou como promessa a realização de um evento semelhante no futuro, se vou lá estar, claro. Só espero é que treinem a minha segunda Kata preferida, a Wankan ou a Matsukaze. Gozem, Gozem…

Já agora e para finalizar, gostei muito de treinar com um aluno de 50 e poucos anos e com 80 de Karate. Só com exemplos assim é que as pessoas são grandes (supra sumo).

Ora toma e vai rasteirinho para casa.